A UNICORN Factory Lisboa foi apresentada ontem no Hub Criativo do Beato pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, numa sessão pública onde revelou como a ideia da Fábrica de Unicórnios será estruturada e implementada.

 

Trata-se de uma plataforma de programas e hubs de apoio a startups e scaleups na criação de produtos e modelos de negócio disruptivos e no desenvolvimento de processos eficientes para ganharem escala global e, eventualmente, se tornarem Unicórnios.

Uma marca umbrella, que agrega a Startup Lisboa e o Hub Criativo do Beato, sob Direção Executiva de Gil Azevedo, e que apresentou durante o evento as suas 4 áreas de atuação:

√  Apoio a startups na fase inicial (Early stage) através da Startup Lisboa; 

√  Apoio a scaleups na fase de crescimento (Growth stage), com o novo programa de Scaling Up para alcançar um forte impacto económico;

√  Atração de scaleups e unicórnios internacionais para Lisboa com o programa  Soft Landing Program; 

√  Desenvolvimento de Rede de Hubs e programas.

Paddy Cosgrave, cofundador da Web Summit, encerrou o evento explicando porque é que Lisboa foi a escolha certa para receber o maior evento de tecnologia e inovação internacional e como “Lisboa transformou-se. Ouço vozes de todo o mundo e a velocidade da mudança é incrível. Este é um momento que espero que seja aproveitado em Lisboa. A Web Summit não criou a onda, já estava a acontecer”.

Uma noite que reuniu, no edifício da Factory Lisbon, uma plateia repleta de membros do ecossistema e entidades parceiras e investidoras já confirmadas da Unicorn Factory Lisboa, entre as quais se encontram alguns dos parceiros que fazer parte do projeto do Hub Criativo do Beato, tais como a Claranet, o Super Bock Group (casa mãe da The Browers Company) e a Mota Engil-Renewing, na qualidade de Program Partners que irão contribuir para que seja “apenas um mito até que o tornemos em realidade”.

📷 Manuel Rodrigues Levita | CML